Thursday, April 20, 2006

Texto da Karatekida, postado pela Dirim.. por razões que vão entender no post....

Ultimamente tenho andado a levitar. Juro! Eu explico antes que comecem as especulações desnecessárias. Digo já que há muito não me sucedia uma coisa assim. Mas, mal soube dele, tive a certeza rara, que ficaria assim. De rastos, rendida, à espera de o ter só para mim. Já o tenho. E agora não consigo separar-me dele. Trabalhar tem sido uma tortura pois ele fica ao meu lado. Ando com ele nos transportes, como com ele, e claro, adormeço com ele. Nem sempre tenho o tempo que queria, e que ele merece. Por isso, qualquer minutinho é precioso. Está a fazer-me tão bem! “Será isto a liberdade? Não sei, confesso, e às tantas desisto de pensar nisso”, lê-se na contracapa do novo livro do Haruki Murakami, o mesmo de “Sputnik, Meu Amor”. Chama-se “Kafka à beira-mar”, e tem um gato preto, igual à minha Baguera, colado na capa. O resto, não digo. Têm que o ler e rápido. Mesmo que sejam alérgicos aos felinos.

5 comments:

Dirim said...

Ainda hoje o vi na Bulhosa :)

karatekida said...

Um bocado vadio, não é? Eu vi-o na FNAC...

Woman Once a Bird said...

Eu vi-o na minha mesa de cabeceira. Já o iniciei, mas tem sido uma leitura vagarosa, por falta de tempo.
Tem piada, porque é o focinho chapado do meu saudoso Cupido.

Dirim said...

do nosso saudoso cupido :) de olhos verdes e tudo :)

jose said...

olha, eu já o li. também andou comigo para todo o lado, mas não teve muito para onde ir porque li-o em pouco tempo.
apreciei bastante e até falei dele num post do meu blog que, caso te interesse, aqui deixo.
li três (e meio) do haruki murakami e gostei de todos eles. o kafka à beira-mar é um livro complexo, não se percebe muito bem para onde atira porque parece que atira em todas as direcções. parece que diz infinitas coisas, que cada frase tem um sentido próprio. às vezes é uma frase auto-explicativa, outras vezes metafórica. mas fica-se com a sensação de que nada é ao acaso. depois quando se acaba o livro não sabemos muito bem o que lemos, concretamente. sabemos apenas que lemos muito, e do bom.
o link é
http://osempreconvicto.blogspot.com/2006/03/kafka-beira-mar_29.html

é bom saber que há por aí mais gente a ler murakami. já sou um fã do senhor.