Wednesday, November 09, 2005

Coisas que me deixam triste

A constatação do fim de uma amizade ... assim, como quem termina uma refeição. Acabou. Findaram os tempos da partilha, dos risos em comum e das lágrimas que corriam em ambas as faces.

Acima de tudo, termina a cumplicidade. A capacidade de adivinhar o pensamento d@ outr@. E tudo redunda numa indiferença. Como se aquela pessoa que ali estivesse não passasse de um(a) estranh@.

Será que não conseguimos lidar com as mutações d@s outr@s?

5 comments:

Lueji said...

Acho que só não consegue quem não quer. Se acaba, é porque se calhar não existiu. Será?

Dirim said...

Não sei, Lueji. Há encontros, reencontros e desencontros.... e há mutações que se debatem com dogmas eternos na cabeça de toda a gente....

Woman Once a Bird said...

Acho que conseguimos lidar com as mutações dos outros, tanto quanto conseguimos lidar com as nossas. Por vezes leva tempo, por vezes é rápido. Uma questão de equilibração.

Calidia said...

Deixemo-nos de melodramatismos, ok?
Há um tempo para tudo (alguém dizia ou li algures)...resumindo..às vezes torna-se imperioso estar a sós com nós próprios, é necessário marcar distâncias, (re)lembrar as diferenças e aguardar.....mas o mundo não pára de girar e assim como as estrelas estão lá sempre no nosso tempo de vida (aparentemente porque elas deslocam-se..), as verdadeiras amizades também lá estarão...

Dirim said...

Calídia: em tudo o que dizes acertas: as estrelas movem-se de facto, por vezes precisamos de tempo para nós e marcar as distâncias e (re)lembrar as diferenças. O que não precisamos é de sentir que temos de nos proteger d@s amig@s. Porque no dia em que isso sucede, parece-me que aquela amizade já não faz muito sentido. Se nos sentimos agredid@s então há mesmo que repensar certas relações. Se as respostas que temos às tentativas de comunicação é o duro e dúbio silêncio então mais sentido faz que sintamos necessidade de nos proteger daquela pessoa. E aí temos uma espiral que interminável... Também acertas quando dizes que as verdadeiras amizades também lá estarão.. onde é que não sabemos bem...