Thursday, January 11, 2007

Sem título

Tenho saudades das noites em Coimbra, em que saíamos do Rugby ou do Buraco. Tenho saudades dos caixotes do lixo que se erguiam ameaçadores no percurso. Das paragens intermináveis a uma porta qualquer quando pressentíamos ameaça. De subirmos a PAV, atrasadas para as aulas ou para qualquer outro compromisso... ou melhor, de correr atrás de ti, tentar acompanhar-te a passada acelerada, o Cocas a dizer-me adeus. De, sentadas no sofá, fumarmos longos cigarros e conversarmos sobre nada (tenho saudades de fumar cigarros). De discutir contigo porque comias meio ovo. De ferver de raiva quando te atrasavas ou me deixavas pendurada porque tinhas uma conversa interminável ao telemóvel. De não compreender porque não me compreendias. Porque me achavas branda em relação a S. De achar que eras branda com R. Tenho saudades de disputarmos C. De vencer algumas vezes; de perder outras tantas. De tomarmos a sério a escolha do nome. De o ver subir o postigo fugido de outros. Tenho saudades do sofá com buraco. Da cozinha sem janela. Da casa de banho de tamanho descomunal. A única coisa de que não tenho saudade é de gramar com a mesma música 50 vezes. Pronto. Passaram 10 anos.

2 comments:

Dirim said...

Eu também, querida. Eu também... e da praga das formigas com asas (saudades não será bem o termo)? E dos passeios na baixa? E dos bolos da Sirius? O Cocas já não diz adeus. Permanece de sorriso estampado, sempre pronto a dar um olá :)

Woman Once a Bird said...

Da praga de formigas (e outras) sem saudadinhas nenhumas! Ah sim, da Sírius, dos pastéis de nata e das castanhas de ovos da Marques...