Monday, October 09, 2006

Porque é que as notícias são como são

"It is a good and holy thing to want to be in a virginal state," she said.
Só gostava de perceber como é que isto se coaduna com a mesma mensagem espalhada aos 4 ventos pela mesma igreja, que defende que a procriação também é natural.. aliás, é o único objectivo do sexo, segundo eles. A propósito da moda das freiras, perdão, d@s virgens, consultar isto. Em todo o caso, não percebo a razão da notícia. O artigo refere explicitamente que a senhora não é freira, e que irá continuar a fazer a sua vida normal. Se ela pretende permanecer casta, parece-me que isso é de foro privado. Será mesmo necessário uma agência como a AP divulgar uma coisa destas pelo mundo? Será mesmo isto uma notícia? Uma mulher estado-unidense decidiu permanecer casta - uma anónima. Alguém que não é uma figura pública, não tem um cargo político ou sequer constitui uma amostra representativa de uma comunidade, que não lidera um grupo influente, ou sequer líder de opinião? É preciso fazer uma missa? A AP não tem mais assuntos para tratar? Desculpem, e não querendo ofender alguém:
Get a bloody life!!!!
Neste caso, seria Get a real news! Esperemos que a moda não pegue em força na Europa, uma vez que temos a demografia num estado deplorável. Título roubado à antologia do Nelson Traquina A imagem é de duas das Lisbon sisters, do filme The Virgin Suicides, de Sophia Copolla. Um dos mais tristes que vi até hoje.

5 comments:

everything in its right place said...

o problema deste tema foi a britney.

apareceu a dizer que era virgem e quando deixou de o ser não o comunicou à "bolsa de valores".

bem, é preciso ser-se um idiota chapado para se gabar da sua abestinencia...

Dirim said...

Que se gabem ainda é como o outro (há gente que se gaba de coisas extraordinárias.. as pessoas conseguem ser estranhas, Everything ;-), agora que uma agência noticiosa como a AP considere isto uma notícia? Que critérios noticiosos utilizou a AP? Ainda se fosse a Ecclesia ainda compreendia.. agora a AP.. bom, no entanto, se pensarmos bem... a coisa colou: o msn news pegou na notícia...

Tamodachi said...

Acho perfeitamente normal que se dé relevância a noticias destas, porque no fundo o importante é desviar as atenções das pessoas do que realmente interessa. Numa altura em que a Coreia do Norte inicia as suas experiências nucleares, é preciso lermos noticias felizes (pelo menos para os crentes em maioria), que nos façam ter esperança e acreditar que ainda há valores, que ainda há pessoas dispostas, em nome da fé, a entregarem o seu maior "dom", a virgindade, a um noivo que nunca chegará. Será isto a prova dum sacrificio supremo pela fé e pelo "mundo melhor", ou apenas um escape para a solidão? será que, não tendo nada de melhor para dar ao mundo, decidem entregar o "pouco" que parece muito?

horvallis said...

Notícia, houve uma, pelo menos por mim, que não sabia que o Papa tinha restaurado essa antiga tradição das virgens sagradas em 1970.
Com o meu jeito literário, quando penso nas virgens sagradas, lembro daquelas dos tempos antigos, das criatura que imagino sempre novas e esculturais dos templos de Diana. Mas essa "virgem sagrada" quarentona de Buffalo, acho que tira toda a graça da coisa !
Houve uma decadência moderna mesmo no que respeita as virgens.

Dirim said...

Curiosamente, por vezes, também recordo as virgens dos períodos clássicos. Mas a imagem que me vem à cabeça é a de uma das alas do Museu Nacional de Arte Antiga... e não, não é particularmente agradável.