Tuesday, September 05, 2006

Ergueu os olhos para o rosto enorme. Levara quarenta anos a descobrir que sorriso se escondia atrás do bigode negro. Oh, cruel e desnecessário mal-entendido! Oh, teimoso e voluntário exílio do peito amantíssimo! Duas lágrimas impregnadas de gin correram-lhe de ambos os lados do nariz. Mas estava tudo bem, a luta chegara ao fim. Alcançara a vitória sobre si próprio. Amava o Grande Irmão.
George Orwell, In 1984

4 comments:

Woman Once a Bird said...

Os bigodes também se abatem.
E se o irmão é grande, maior será a queda...
Quanto tempo levará uma estátua do grande irmão a partir-se no chão?

horvallis said...

Nunca li 1984 ! O livro está na minha mesa de trabalho há alguns meses mas ainda não consegui encontrar um momento certo para começar a leitura.

Dirim said...

Horvallis: para mim 1984 é um livro que tem tanto de fascinante como de assustador. Eu já o li várias vezes. Quando o leio concluo sempre que Orwell transmite a ideia de que não há saída ou esperança.

Dirim said...

Mas como lembra a WOAB... os bigodes também se abatem - e a História aí está para o comprovar - só resta saber quanto tempo levará uma estátua do Grande Irmão a partir-se no chão. Ou seja, se o livro apresenta a ideia de que não há saída, a História lembra-nos que há Esperança.